Eleição ameaçada no ECV


vs21

Fábio Mota já havia se manifestado através de entrevista exclusiva com a gente que iria a justiça por conta de problemas com a forma que esta sendo conduzida as eleições do clube, só que antes que viesse a tona o processo de Mota a chapa do Vitória Séc XXI se mobilizou e através de um dos membros entrou com a ação para impugnar o regime eleitoral do clube, como podem ver no texto da Tribuna da Bahia abaixo.

O sócio do Esporte Clube Vitória Ricardo Santos Pereira, registro número 01002675, entrou com um pedido de impugnação contra as normas do Regimento Eleitoral para o triênio 2014/2016, que vai direcionar o processo de sucessão de Alexi Portela Júnior, prevista para a primeira quinzena de dezembro de 2013. O documento pede revisão de critérios estabelecidos no Regimento, particularmente com relação aos prazos para a divulgação da relação de sócios que tem direito ao voto na eleição do novo presidente e do novo Conselho Deliberativo do clube.

“O prazo é insuficiente para que os associados que tenham direito ao voto, que diga-se de passagem são os mesmo que estarão aptos a serem candidatos ao Conselho, possam ter a fidúcia do direito estatutário líquido e certo. A Autorização para a divulgação da lista de votantes apenas 5 (cinco) dias antes da eleição trará benefícios diretos à chapa da situação, que diante da possibilidade do uso da máquina ou do descomedimento do poder político terá prejudicado seriamente o pleito eleitoral”, diz um dos trechos do pedido de impugnação do Regime, no ofício do sócio Ricardo Santos Pereira.

O ofício, redigido em quatro folhas ofício e dirigido ao presidente da Comissão Eleitoral, Nilton Gonçalves de Almeida Filho, questiona ainda no item 08, os critérios de divulgação, restrições à publicidade da plataforma e dos projetos dos candidatos à eleição presidencial do Vitória.