ESCUDERO é punido com 30 dias, mas já pode jogar!


ESCUDERO VOLTA AO TIME

A expectativa é de que o cara da camisa 11 fosse inocentado de acordo com o histórico do atleta, a maneira como aconteceu o doping e sobretudo com a apresentação da tal lista de médicos da CBF que provocaram o erro.

Porém isso não aconteceu, o meia foi punido com 30 dias, mas como já cumpriu os 30 dias preventivamente, ele poderá jogar já nesta quarta contra o Vasco no Rio de Janeiro, o Vitória terá de volta o seu principal jogador, Patrícia Saleão competente advogado fez a defesa do atleta que poderia ser punido com até 2 anos de acordo com artigo 6, o médico do clube poderia pegar 4 anos de acordo com o artigo 13.

– Foi um erro do departamento médico. O atleta não tem culpa, porque foi tratado como paciente, e não como atleta – tentou argumentar o chefe do departamento médico do Vitória, Ivan Carilo, que também foi punido com um ano de suspensão.

Um ponto ressaltado pela relatoria do processo para pedir a punição ao médico do clube foi o fato de a clínica para qual Escudero ter sido encaminhado ser de propriedade de José Olímpio, integrante do departamento médico do Vitória.

A promotoria ainda poderá recorrer da decisão!

Escudero já esta no Rio de Janeiro e pode ser incluído entre os relacionados por Ney Franco.

Informações abaixo do lance net

REVIRAVOLTA

thumb

O julgamento teve um desfecho que deixaria muita final de campeonato no chinelo. Tudo se desenhava para a aplicação de uma suspensão de 60 dias ao jogador e quatro anos para o médico, como estava previsto no voto inicial do auditor-relator Felipe Bevilacqua. Mas o presidente da comissão, Paulo Valed, decidiu pedir a diminuição da pena de Carrilo para um ano. Ele foi acompanhado pelos outros auditores. Nessa mudança, o auditor Washington Rodrigues de Oliveira aporveitou a “carona” para pedir 30 dias para Escudero, conforme o voto de outro auditor, Vinícius Sá Vieira.  E aí configurou-se o empate por 2 a 2. Como a sessão só contou com quatro votantes – um auditor faltou -, há o princípio de beneficiar o réu e Escudero pegou 30 dias.

CHEFE DO DEPARTAMENTO MÉDICO LEVA GANCHO

A pena dada ao jogador foi abrandada porque a substância não melhora o desempenho em campo. O jogador tomou o remédio depois de ter recebido o aval do departamento médico do clube baiano. A receita foi dada por uma médica que não faz parte do quadro rubro-negro, a quem o jogador foi encaminhado após o tratamento aplicado pelo Vitória não ter surtido efeito.

– Foi um erro do departamento médico. O atleta não tem culpa, porque foi tratado como paciente, e não como atleta – tentou argumentar o chefe do departamento médico do Vitória, Ivan Carrilo, que também foi punido com um ano de suspensão.

Um ponto ressaltado pela relatoria do processo para pedir a punição ao médico do clube foi o fato de a clínica para qual Escudero ter sido encaminhado ser de propriedade de José Olímpio, integrante do departamento médico do Vitória.