[O Olhar da Felina] Vamos Subir, Nêgo! nº2


Calma, gente, eu sei que não chegamos nem a um quinto do campeonato, além do mais, eu sou Rubro-Negra, não faço parte da torcida irracional (by Paulo Carneiro)!

É cedo para fazer algum prognóstico, aliás, para que servem os prognósticos mesmo, se o Vitória, só pra contrariar, quase sempre faz o contrário?!

Em 2011 o Marketing do Vitória lançou uma campanha divulgada na internet, na TV, “Bote Fé, o Leão vai subir!”. Eu achei a ideia super legal, o vídeo da campanha, o Barradão, os torcedores, cada um torcendo do seu jeito, eu, você… Tenho até a fitinha que recebi num dos jogos, não sou supersticiosa, mas guardei, não tinha porque me desfazer. Não deu certo, os discursos bonitos deram esperança (uma meia-esperança, para quem já conhece a nossa diretoria e acredita que de boas intenções o inferno está cheio), mas as ações não!

Muitas contratações, pouco critério, muito dinheiro jogado fora (dinheiro não era problema), trocas de técnico, campanha irregular, maioria do tempo fora do G4, ressurgimento, esperança até o último momento, e fracasso, é, mas não fomos “injustiçados”…  Depois da perda do Campeonato Baiano para o time de Feira claro que a torcida se ressabiou, porque não dizer se revoltou, pela forma como tudo aconteceu, do mesmo jeito que viria a acontecer alguns meses depois no fatídico jogo que não ouso citar, já citando (eu hein, tá amarrado!). Os mais pessimistas desistiram antes mesmo de o campeonato começar. Mas quando o torneio começou não tinha jeito, para o torcedor é torcer ou torcer (e pedir uma ajudinha dos céus), como diria  Paulinho Moska, “é tudo novo de novo, vamos nos jogar onde já caímos”…

Por falar em já caímos, comecei esse texto para relembrar bons momentos, afinal, até nas adversidades tem algo de bom para rememorar, o tão esperado final feliz. A campanha do marketing não deu muito certo, falando assim até parece que a culpa foi deles, enfim, o grito que agita mesmo a torcida e empurra o time, mas que, de todo coração, gostaríamos de não ter mais que entoar, é o seguinte: Ôôôô Vamos Subir, Nêgo! Vamos Subir, Nêgooooo!!

Pausa para respirar fundo…

Já deu certo! Depois de voltar do inferno da “cerei C”, onde deixou o rival, o Vitória disputou a segundona em 2007, não fizemos uma campanha espetacular, mas suficiente, confirmando o acesso com duas rodadas de antecedência. De volta a 2012, apesar de cedo, repito, fazendo uma análise dos resultados até aqui, jogamos três partidas fora de casa e vencemos duas (!), para um time que tem dificuldade quando sai dos seus domínios, independentemente da força do adversário, está bom; uma derrota (fora de casa) e um empate. Esses breves números não são apenas números, eles parecem retratar uma mudança na postura do Leão ao jogar longe do Santuário, some-se isso a volta da “mística” do Barradão, que ultimamente nos relegou em alguns momentos decisivos (tá, eu sei de quem é a culpa, de vez em quando é bom acreditar nessas coisas), e ninguém nos segura.

Quanto ao futebol, sabemos que ainda estamos devendo, este sim precisa de alguns ajustes, regularidade, para que a matemática possa entrar em campo e confirmar o que todos esperamos. E que possamos, ao final desse ano, com algumas rodadas de antecedência (que a torcida merece um refresco), brigando pelo título (amém!), cantar novamente:

Ôôôô Eu já subi, Nêgo!!!