ESCUDERO é punido com 30 dias, mas já pode jogar!


ESCUDERO VOLTA AO TIME

A expectativa é de que o cara da camisa 11 fosse inocentado de acordo com o histórico do atleta, a maneira como aconteceu o doping e sobretudo com a apresentação da tal lista de médicos da CBF que provocaram o erro.

Porém isso não aconteceu, o meia foi punido com 30 dias, mas como já cumpriu os 30 dias preventivamente, ele poderá jogar já nesta quarta contra o Vasco no Rio de Janeiro, o Vitória terá de volta o seu principal jogador, Patrícia Saleão competente advogado fez a defesa do atleta que poderia ser punido com até 2 anos de acordo com artigo 6, o médico do clube poderia pegar 4 anos de acordo com o artigo 13.

– Foi um erro do departamento médico. O atleta não tem culpa, porque foi tratado como paciente, e não como atleta – tentou argumentar o chefe do departamento médico do Vitória, Ivan Carilo, que também foi punido com um ano de suspensão.

Um ponto ressaltado pela relatoria do processo para pedir a punição ao médico do clube foi o fato de a clínica para qual Escudero ter sido encaminhado ser de propriedade de José Olímpio, integrante do departamento médico do Vitória.

A promotoria ainda poderá recorrer da decisão!

Escudero já esta no Rio de Janeiro e pode ser incluído entre os relacionados por Ney Franco.

Informações abaixo do lance net

REVIRAVOLTA

thumb

O julgamento teve um desfecho que deixaria muita final de campeonato no chinelo. Tudo se desenhava para a aplicação de uma suspensão de 60 dias ao jogador e quatro anos para o médico, como estava previsto no voto inicial do auditor-relator Felipe Bevilacqua. Mas o presidente da comissão, Paulo Valed, decidiu pedir a diminuição da pena de Carrilo para um ano. Ele foi acompanhado pelos outros auditores. Nessa mudança, o auditor Washington Rodrigues de Oliveira aporveitou a “carona” para pedir 30 dias para Escudero, conforme o voto de outro auditor, Vinícius Sá Vieira.  E aí configurou-se o empate por 2 a 2. Como a sessão só contou com quatro votantes – um auditor faltou -, há o princípio de beneficiar o réu e Escudero pegou 30 dias.

CHEFE DO DEPARTAMENTO MÉDICO LEVA GANCHO

A pena dada ao jogador foi abrandada porque a substância não melhora o desempenho em campo. O jogador tomou o remédio depois de ter recebido o aval do departamento médico do clube baiano. A receita foi dada por uma médica que não faz parte do quadro rubro-negro, a quem o jogador foi encaminhado após o tratamento aplicado pelo Vitória não ter surtido efeito.

– Foi um erro do departamento médico. O atleta não tem culpa, porque foi tratado como paciente, e não como atleta – tentou argumentar o chefe do departamento médico do Vitória, Ivan Carrilo, que também foi punido com um ano de suspensão.

Um ponto ressaltado pela relatoria do processo para pedir a punição ao médico do clube foi o fato de a clínica para qual Escudero ter sido encaminhado ser de propriedade de José Olímpio, integrante do departamento médico do Vitória.

Anúncios

Romário faz operação no Rio e pode treinar no Flamengo


Uma confusão danada, onde ninguém se entende. Essa é a relação atual do lateral-direito Romário com o Vitória. No Rio de Janeiro há três semanas, o jogador operou o joelho esquerdo sem a autorização do Vitória na semana passada e seus empresários planejam colocá-lo para fazer três meses de fisioterapia no Ninho do Urubu, centro de treinamento do Flamengo.

Morando na casa do procurador Toni Batista, no bairro do Recreio dos Bandeirantes, Romário garante que a Rogon, empresa que administra sua carreira, enviou um laudo da cirurgia ao Vitória. Documento este que, segundo Ivan Carillo, chefe da equipe médica do Leão, não chegou ao clube.”A Rogon enviou um comunicado dizendo que ia fazer a cirurgia e não tem relatório nenhum”, garantiu Carillo.

As divergências entre as duas partes envolvidas não param por aí. “Aqui, os médicos disseram que era necessário fazer um pré-operatório. Perdi muita massa e seriam necessários uns 15 dias de trabalho (reforço). Aí (em Salvador), já queriam me botar na maca pra operar. Eu ia ficar mais de um ano parado. Agora, acredito que volto em quatro ou cinco meses”, diz Romário, que sofreu uma ruptura do ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo no Ba-Vi decisivo do Baiano, 13 de maio.

A versão do departamento médico rubro-negro é completamente diferente. “Nós fizemos tudo correto. Pedimos a ressonância e os exames pré-operatórios necessários de urina, fezes e sangue. Marcamos a cirurgia duas vezes no Hospital Santa Clara e ele não apareceu”, disse Carillo, reforçando que o pré-operatório citado pelo jogador é um exercício isométrico feito com todos os jogadores do clube, mesmo aqueles que não estão lesionados.Mas a discussão continua. O empresário de Romário reclama da falta de atenção após a lesão. “Romário estava duas semanas em Salvador, sem ninguém do Vitória ligar pra ele, sem fazer nada. Aí que eu fui praí e trouxe ele ao Rio de Janeiro”, conta Toni Batista, que alega que a cirurgia custou R$ 22 mil.

Nessa história conturbada, o caso está no departamento jurídico do clube. “A nossa orientação é que não deve fazer (cirurgia e tratamento fora). Temos que analisar pra ver que providência devemos tomar. Mas também não existe a obrigação de o jogador fazer o tratamento no clube, já que envolve uma questão maior de direito à vida e à saúde”, explica o advogado rubro-negro, Manoel Machado.

Hoje, Romário é considerado um atleta afastado por licença médica e seu contrato fica suspenso em razão do acidente de trabalho (lesão no Ba-Vi). O Vitória, que não perde nenhum direito sobre o jogador mesmo ele tendo optado por fazer o procedimento fora, já enviou um Comunicado de Acidente de Trabalho (CAT) ao INSS. Como qualquer outro profissional acidentado, Romário terá que passar por uma perícia e a obrigação de pagamento do salário a partir de julho é do INSS.

O lateral pretende aparecer na Toca do Leão em duas semanas. “Quero fazer tudo certinho com o Vitória. O que fiz não foi em termo de sair do Vitória. Eu tenho prioridade de tratar onde eu quiser. Não tem trairagem. Procurei o melhor pra mim. Minha carreira que está em jogo”, afirma ele, operado pelo ortopedista Vitor Favila Guimarães da Silva, com passagem pelas seleções brasileiras de base.

Outra novela é quanto a renovação do vínculo de Romário, que vai até dezembro. Nos bastidores,uma possível transferência para o Botafogo tem força. E vale lembrar que ele pode se recuperar no Flamengo. Mas oficialmente, Vitória e empresários não confirmam qualquer proposta. “Queremos renovar”, resume o diretor de futebol Raimundo Queiroz.

O certo é que o Vitória, como fez o primeiro contrato do atleta, tem prioridade na renovação. Pra ficar mais claro: qualquer clube que queira levar Romário tem a obrigação de apresentar antes a proposta ao Vitória. Caso o rubro-negro iguale e o jogador opte pela transferência, o clube contratante teria que pagar indenização num valor referente a 200 vezes o salário oferecido. Mesmo em conflito com o clube, Romário não nega a possibilidade de deixar a Toca.


Futebol é negócio. Se o Vitória vier com uma proposta boa, acima das demais que eu receber, quero ficar. Tenho que ver a melhor condição pra mim
, deixa no ar o jogador, convocado para as seleções brasileiras de base desde os 15 anos.