[O que vi e Vivi no Barradão] Lu o Terror dos adversários (Bola 8 da TUI)


Estava recordando algumas histórias que passei nessa minha saga acompanhado o Vitória, e lembrei-me de um fato muito engraçado a história de um torcedor rubro-negro que aterrorizou um jogador adversário que venceu o leão aqui no Barradão.

Campeonato do Nordeste 2001 Vitória e Náutico se enfrentavam pela primeira fase e o brioso estava praticamente classificado antecipadamente para segunda fase da competição, precisava somente de um empate nos dois jogos que faltavam, ou até mesmo uma combinação de resultados para conseguir o feito e ir em busca do tri.

Vamos ao jogo, o Vitória tinha um time considerado  bom, muitos jogadores revelados na Toca e vinha de um bom momento, o Náutico precisava vencer para continuar com chances de se classificar e alguns fatos curiosos aconteceram naquela tarde, o Náutico tinha um goleiro recém saído do Bahia de Itinga, o frangueiro Gilberto, esse cara nos deu muitas alegrias em BAVI, lembro de dois golaços de Petkovic em cima dele, mas isso fica para outra hora, a questão é que nesse dia este goleiro resolveu pegar tudo, até mesmo um pênalti de Allan Delon que estava em grande fase e para completar Wallace, Sangaletti e Kuki faziam um trio veloz e arrasador, os caras fizeram a defesa passar maus bocados e numa jogada em que Kuki arrancou e tabelou com Wallace, este lançou Sangaletti que tocou na saída de Jean e marcou Vitória 0x1 Náutico, é agora que a história vai ficar interessante.

O meu amigo Lu, é um cara de mais ou menos 1,80m e pesa uns 200 Kg, sem exagero galera, o cara é verdadeiramente grande, quem já viu ele acompanhando os jogos do Leão na TUI deve confirmar o que estou falando, a questão é que Lu conhecia muitos jogadores do Vitória naquela época e volta e meia estes atletas o visitavam em sua residência aqui em Simões Filho, e ao término dos jogos, fazíamos a volta e aguardávamos os jogadores do Vitória em frente ao portão principal do CT Manoel Pontes Tanajura, nesse dia o goleiro Jean havia prometido a Lu a camisa que ele usou naquele jogo e Lu por sua vez disse que era minha, eu estava extasiado, naquele período eu era goleiro e Jean era uma referencia para mim. Enquanto aguardávamos os jogadores, eis que o ônibus do Náutico estava no mesmo local e de repente aparece  dois algozes do Vitória, Wallace e Sangaletti.

Foi uma cena digna de filme, os jogadores do Timbu eram baixinhos e Lu em dimensões monstras e com uma voz grave acompanhado de mim, Ceará, Jaí, e Jair exclama: Wallace! Sangaletti! Vocês partiram meu coração( e ele batia com o punho cerrado no  próprio peito),mas desta vez passa, os jogadores ficaram espantados e só conseguiram balbuciar: Ham, heim? Enquanto entre olhavam atônitos os seguranças do Náutico que também pareciam se tremer de medo. Lu vai em direção aos dois e pega no ombro de Wallace que parecia um boneco diante do famoso bola 8 da TUI(Como é conhecido no Barradão), o cara só faltava se borrar todo de medo, quando Lu disparou novamente: Você partiu meu coração, mas desta vez passa, tem uma camisa do Náutico aí para me dá? Os caras vasculharam rapidamente a sacola em busca da camisa que acabaram não achando, deram um meião e short enquanto tentavam desesperadamente se justificar com Lu, foi uma cena hilária e eu nunca mais vou esquecer, logo após chegaram os jogadores Jean e Moisés do Vitória e o clima ficou ameno, mas nos rostos de Wallace e Sangaletti dava para se ver a expressão de grande temor.

Copa do Nordeste 2001 VITÓRIA (BA) 0 x 1 NÁUTICO (PE)
Local: Manoel Barradas (Salvador); Juiz: Jorge Luiz da Silva (AL); Renda: R$ 24 130; Público: 2 413; Gol: Sangaletti 12 do 1º; Cartão amarelo: Vital, Sangaletti e Sílvio

VITÓRIA: Jean, Rodiney, Moisés e Marcone (Vítor), (Bocão); Wilson, Tácio, Xavier e Leandro; Cláudio, Allan Delon e Flávio (Artur). Técnico: Mário Sérgio

NÁUTICO: Gilberto, Rafael, Sílvio, André Turatto e Vital; Sangaletti, Fábio, Adílson (Carlinhos) e Wallace (Dorgival); Marcelo Passos e Kuki (Gil). Técnico: Júlio Espinosa

[Fluminense x Vitória] Muito mais coerente Cerezo e Eric Pino quer jogar no Vitória!


Após duas rodas escalando o time com 3 volantes, e apenas o lento Lucio Flavio como homem de criação, Cerezo voltou atrás e parece que escalará o time no 4-4-2 clássico com 2 volantes e 2 meias de oficio, 1 atacante de beirada e 1 centro avante, bom para o Vitória que nunca se acostumou a jogar com muitos pegadores na meiuca.

O jogo de hoje também é uma oportunidade para acompanhar o talento de 6 jogadores das divisões de base: Dimas, Dankler, Alan Henrique, Mineiro, Arthur Maia e Alan Pinheiro estão incumbidos de mostrar mais uma vez para todos as qualidades dos jogadores oriundos da Toca do Leão, empenho eu sei que não irá faltar.

Outra coisa interessante é o confronto de Agnaldo Liz e Allan Dellon que  fizeram nome justamente no rubro negro e hoje representam a equipe de Feira, outra novidade fica por conta do banco de reservas do Vitória, o goleador Dinei que saiu daqui prematuramente  com status de craque deve fazer sua reestréia no rubro negro e agora tem a responsabilidade de justificar o apoio da torcida.

FICHA TÉCNICA

FLUMINENSE X VITÓRIA

Local: Estádio Alberto Olveira, em Feira de Santana (BA)

Data: 01/02/2012 (quarta-feira)

Horário: 21h50 (de Brasília).

Árbitro: Marielson Alves Silva (BA).

Assistentes: José Carlos Oliveira dos Santos (BA) e Dijalma Silva Ferreira Júnior (BA).

Fluminense de Feira: Rodolpho, Jonathan, Jefferson, Odair e Julio Cesar; Evson, Jo, Fábio Augusto e Diego Perini; Alan Delon e Brasão.Técnico: Agnaldo Liz.

Vitória: Douglas, Léo, Alan Henrique, Dankler e Wellington Saci; Ueliton, Mineiro, Arthur Maias e Lúcio Flávio; Alan Pinheiro e Neto Baiano.Técnico: Toninho Cerezo.

Empresário não descarta acordo e jogador quer vim pro Leão

No meio de uma grande confusão, o meia chileno Eric Pino, que rescindiu contrato com o Antofagasta, clube que ajudou a colocar na primeira divisão do futebol do seu país, falou com exclusividade o Bahia Notícias nesta manhã. O jogador afirmou não entendeu nada desde sua chegada ao Brasil, mas começou a compreender a atual situação quando conversou com a diretoria do Vitória.

– Logo quando cheguei não sabia o que estava acontecendo, mas falei com a direção do Vitória nesta manhã e comecei a compreender o que estava acontecendo. Eu só cheguei ao Brasil para jogar bola e quero fazer isso. Imparato nunca foi meu responsável e não tem autorização para falar por mim. Estou bastante chateado – disse.

Segundo o atleta, o Vitória é o clube que ele gostaria de atuar.

– Eu desembarquei no Brasil para jogar bola e gostaria de jogar no Vitória, mas temos que sentar e conversar – finalizou.